Do jogador de blackjack ao bilionário: Charlie Ergen
Do jogador de blackjack ao bilionário: Charlie Ergen

Do jogador de blackjack ao bilionário: Charlie Ergen

Hoje estamos apresentando um dos homens mais ricos dos Estados Unidos: Charlie Ergen. O bilionário não estaria onde está hoje se não tivesse sido bem-sucedido no início de sua carreira. Blackjack poderia ter aumentado sua riqueza.

Em 1980, poucos meses antes de Charlie Ergen fundar a empresa que hoje é conhecida como Rede de pratos ele foi para uma casa de jogo com um amigo de jogo. Cassino no Lago Tahoe, no norte de Nevada. Ele ia fazer uma fortuna lá com o cartões de contagem fazer. Na época, Ergen tinha 27 anos e havia comprado o livro "Playing Blackjack como a Business" e aprendeu diligentemente a Estratégias nele. Infelizmente, um guarda do cassino o pegou contando cartas e os dois foram expulsos do cassino e banidos para sempre.

Onde podemos jogar blackjack on-line?

Tivemos as melhores experiências no Black Jack nos últimos anos. Playamo Live Casino feito. Na minha opinião, é aí que está o ponto principal, MELHOR SELEÇÃO nas mesas com dealers ao vivo e você pode treinar muito bem para o cassino real! Em comparação com outros cassinos on-line, os ganhos na Playamo são realmente pagos e é por isso que eu definitivamente recomendaria o Cassino Online Playamo!

O Cassino Playamo tem muitas mesas de blackjack ao vivo e um Pagamento rápido dos prêmios.
CLIQUE NO BOTÃO AGORA PARA GARANTIR SEU BÔNUS!
Playamo Casino Banner

Mais de três décadas depois, Ergen, agora com 60 anos, enfrenta novamente acusações de defraudar a casa - mas desta vez a casa está aqui, aninhada nos confins das suítes executivas de Burbank a Beverly Boulevard. E agora a Ergen's Englewood, Co.-based Dish Network, o terceiro maior fornecedor de TV via satélite/cabo do país, uma empresa de capital aberto que cresceu de uma empresa de $60.000 para um império com 14 milhões de assinantes e 14 bilhões de dólares em receita anual, é o inimigo número 1 da indústria de entretenimento.

Com frequência cada vez maior, Ergen tem se envolvido em jogos feios e de alto risco com Hollywood. Em sua batalha brutal com a AMC por causa de taxas de retransmissão excessivas, ele retirou os canais The Walking Dead e Mad Men do sistema Dish por meses. Ele também passou anos brigando com emissoras de rádio e TV sobre a prática de retransmitir sinais de TV remotamente sem licença e até foi pego quebrando uma promessa que fez sob juramento de parar de fazer isso - tudo isso enquanto a Dish era apelidada de "a pior empresa para se trabalhar nos Estados Unidos" por um site de vigilância. Mas tudo isso foi apenas um preâmbulo para o Hopper.

Em janeiro de 2012, a Dish lançou seu serviço de DVR proprietário, que permite aos consumidores "AutoHop", ou seja, assistir a toda a programação do horário nobre das emissoras sem comerciais, sem ter que avançar rapidamente pelos anúncios. Imediatamente após o lançamento do serviço, a CBS, a NBC, a ABC e a Fox entraram com uma ação judicial, argumentando que a Dish as colocaria fora do mercado se lhes fosse permitido continuar oferecendo o Hopper. As emissoras querem que um juiz emita uma liminar, e a Fox está recorrendo da negação de um desligamento enquanto faz outra tentativa de banir o Hopper - depois que a Dish adicionou recursos móveis em meio ao desafio legal.

Ergen, que é casado e tem cinco filhos e cuja fortuna pessoal aumentou para cerca de US$ 10,6 bilhões, colocando-o no número 100 da atual lista de pessoas mais ricas da Forbes, expressa a confiança de que ele pode ganhar o processo judicial ganhar e diz que está na hora de as emissoras aderirem. "Algumas pessoas são avessas a mudanças, mas o modelo de publicidade mudará com ou sem o Hopper", disse ele aos analistas recentemente. "O que estamos dizendo às emissoras é: 'Há uma maneira de não enterrar a cabeça na areia'. "

As emissoras rejeitam essa avaliação. "Os serviços [como o Hopper] que prejudicam a estrutura econômica do nosso negócio não são apenas ilegais, eles potencialmente destroem nossa capacidade de oferecer ao público o que ele deseja", disse Leslie Moonves, presidente e CEO da CBS, ao THR. Ted Harbert, presidente da NBC Broadcasting, acrescenta: "Acho que isso é um ataque ao nosso ecossistema".

Não é de se surpreender que Hopper tenha se tornado extremamente popular. No ano antes de a Dish começar a oferecer o serviço gratuitamente, a empresa perdeu 166.000 assinantes. Desde então, o prato ganhou 89.000 de volta.

"Somos um pouco como um filme do Indiana Jones", disse um otimista Ergen sobre sua empresa na conferência All Things Digital, em 11 de fevereiro. "Estamos sempre em apuros. Sempre saímos deles. Sempre passamos de jacarés a caras com flechas e cobras. Queremos vencer." (Ergen se recusou a comentar para este artigo).

#1 BLACK JACK CASSINO AO VIVO: PLAYAMO

Bônus do Cassino Playamo

Em um momento em que os índices de audiência das Quatro Grandes redes atingiram mínimos históricos - a Fox está em baixa nesta temporada em 21 e a NBC foi derrotada na faixa etária de 18 a 49 anos da Univision em fevereiro - já é difícil convencer os anunciantes a levar os espectadores aos anúncios - como as redes farão em maio nas apresentações anuais de US$ 10 bilhões. É ainda mais difícil quando uma grande operadora de satélite apregoa sua capacidade de eliminar completamente os comerciais da experiência de visualização. As emissoras esperam manter os anunciantes a bordo quando empresas de pesquisa de mercado como a Nielsen começarem a se concentrar nos espectadores que assistem ao programa uma semana após a transmissão inicial ao vivo. Mas o analista Richard Greenfield pergunta: "C3 vs. C7? Quem está brincando com quem quando se trata de assistir a comerciais em programas DVR?"

Curiosamente, fornecedores de TV como Time Warner Cable e DirecTV, embora presumivelmente de posse das mesmas capacidades tecnológicas, não ofereceram produtos que tenham desencadeado tal retaliação do setor. Talvez haja uma razão para isso.

Ergen apresentou o Hopper como um direito do consumidor e, ao mesmo tempo, disse aos analistas que os programadores "desvalorizaram" o conteúdo ao disponibilizar programas de TV na Netflix e processar a ESPN, entre outros, por permitir o streaming. A CBS está tentando desfazer seu acordo de licenciamento com a Dish, alegando que Ergen e seus principais tenentes discutiram seus planos para o Hopper em negociações contratuais em 2011. mais fraudulento maneira. E, em fevereiro, a Dish alegou que a CBS forçou a atriz de "The Big Bang Theory", Kaley Cuoco, a excluir um tweet patrocinado no qual ela endossava o funil, embora não houvesse nenhuma evidência de que a atriz estivesse sob pressão para fazê-lo. definir tornou-se. Em um evento em homenagem a Moonves, em março, Cuoco anunciou: "Quero aproveitar esta oportunidade para dizer uma coisa: Leslie, f- the Dish Network".

À medida que Hollywood entra relutantemente na era digital, novos participantes, como o serviço de TV Aereo, de Barry Diller, estão desafiando os fluxos de receita tradicionais e levando as emissoras aos tribunais. (A Aereo, de Diller, sobreviveu a um desafio legal inicial em 1º de abril, quando um tribunal de apelações permitiu que ela permanecesse em atividade pelo menos até um julgamento). Mesmo entre essas ameaças, no entanto, a Dish representa talvez o disruptor mais agressivo e mais bem financiado. E ele é controlado por um homem que tem o dinheiro e a inclinação para levar a luta até o fim legal e, para Hollywood, muito assustador. Sim, ele é conhecido por alguns dentro de sua organização por ser um falastrão ("Eles tratam seus funcionários como escravos", diz uma avaliação on-line de um funcionário). Mas uma coisa é gritar com os subordinados e instalar um dispositivo de escaneamento para monitorar o atraso (sim, ele realmente fez isso); outra bem diferente é destruir provas e enganar juízes em um tribunal - Dish foi punido por esse comportamento.

Tudo isso é o suficiente para perguntar:

Se Charlie Ergen é o homem mais odiado em Hollywood, o que a indústria deve fazer com ele?

Ergen está agora se preparando para uma luta que poderia responder a essa pergunta. Um acordo de licenciamento entre a Dish e a The Walt Disney Co. expira em setembro. As próximas conversações entre as empresas são a primeira grande negociação desde o lançamento do Hopper. A Disney provavelmente não quer carimbar um produto técnico como o Hopper, renovando seu contrato com a Dish. Mas é quase impossível para uma empresa de mídia renunciar aos bilhões de dólares que Ergen está pagando pela programação.

Este dilema entre amigos e inimigos é o enigma essencial que é o prato. Seis meses antes de seu contrato com a Disney expirar, Dish não estava na mesa de negociações, mas na sala do tribunal, processando a unidade ESPN da Disney por supostamente oferecer melhores tarifas à concorrência da Dish.

É claro que Ergen foi aclamado como herói pelos defensores dos consumidores, que apreciam sua disposição de brincar com um modelo de TV que se tornou sagrado para os conglomerados de Hollywood. "Quando se trata de experimentar coisas novas e manter os custos baixos em um mercado competitivo, você precisa de um pioneiro como a Dish", diz John Bergmayer, da Public Knowledge, uma organização de direitos sem fins lucrativos.

Vijay Jayant, um analista que acompanha a Dish há anos no ISI Group, observa: "A atitude de Charlie é: 'Em algum momento, eles negociarão comigo nos meus termos'. Ele continua blefando até que isso não aconteça".

Se o prato exibe uma forma particular de agressão, os observadores atribuem-na ao fundador bilionário e à posição precária de sua empresa no competitivo setor de distribuição de vídeo.

Charlie Ergen nasceu no Tennessee, filho de um físico que teria cunhado o termo "Síndrome da China" para descrever as inadequações da contenção de um acidente com um reator nuclear. Depois de jogar como pivô no time de basquete da universidade estadual, ele se formou em administração de empresas pela Wake Forest University em 1976 e trabalhou como analista financeiro na Frito-Lay. Dois anos depois, aos 25 anos, ele surpreendeu a família ao se "aposentar" - ou melhor, ao usar os descontos que sua futura esposa, Cantey McAdam, recebia de seu trabalho como comissária de bordo para viajar pelo mundo. Ele também brincou com a ideia de abrir uma mais profissional tornar-se um jogador de pôquer e blackjack.

Então, em 1980, seu colega Jim DeFranco lhe falou sobre "uma grande antena parabólica que recebe sinais do espaço", de acordo com um discurso de abertura na Wake Forest em 2012. Juntamente com DeFranco e McAdam, os três investiram 60.000 dólares de suas economias pessoais em uma empresa iniciante chamada EchoStar, em um subúrbio de Denver.

Um montanhista ávido que escalou o Kilimanjaro e o Monte Everest, Ergen construiu sua empresa - agora oficialmente chamada DISH - em uma das 200 maiores do mundo, com lucros médios anuais de cerca de US$ 1 bilhão (Ergen controla 88% dos direitos de voto na empresa). O prato prosperou em grande parte por se concentrar nas áreas rurais montanhosas do país onde não havia linhas de TV a cabo - e, é claro, por estar disposto a enfrentar qualquer um que se atravessasse no caminho.

Os funcionários, oponentes e analistas da Dish dizem que ninguém explora o sistema judiciário como Ergen para obter uma vantagem competitiva. Há uma década, um juiz concluiu que Ergen havia violado uma promessa, feita sob pena de perjúrio, de interromper a transmissão de longa distância de sinais de televisão locais. Um tribunal de recursos escreveu em 2006 que não havia "nenhuma indicação de que a EchoStar estivesse interessada em cumprir a Lei [Satellite Home Viewer]", acrescentando: "Parece que reconhecemos um 'padrão' e uma 'prática' de violar a Lei de todas as formas possíveis".

Em meados da década de 2000, quando Ergen estava lutando contra a TiVo pelos direitos da tecnologia DVR, a TiVo não só conseguiu convencer um tribunal de que a Dish havia infringido uma patente, como também o juiz do caso considerou "desagradável" o fato de a empresa de Ergen "ter feito uma campanha publicitária divulgando seus DVRs como 'melhores que o TiVo' enquanto continuava a infringir a patente da TiVo". Em 2009, a Dish foi oficialmente sancionada pelo tribunal. (As partes fizeram um acordo posteriormente).

Talvez o mais infame tenha sido o fato de que juízes furiosos acompanharam a recente disputa da Dish com a Cablevision/AMC depois que a Dish assinou um contrato de 15 anos para transmitir as redes Voom, uma linha de 21 canais HD pouco assistidos, como Kung Fu HD e Filme Fest HD, havia sido cancelado. Nos primeiros dias do julgamento, a Dish foi penalizada por "má fé" ou "negligência grave" ao destruir e-mails internos da empresa. Mais tarde, um juiz da Suprema Corte de Nova York, Richard Lowe, visivelmente irritado, ameaçou iniciar uma investigação se os documentos da Dish não fossem liberados. O processo ficou tão feio que a gerente da Dish, Carolyn Crawford, deu um soco no pai do advogado da oposição ao sair do tribunal. Mais tarde, ela se desculpou em audiência pública.

Em um caso de assédio sexual em Maryland, em 2005, um juiz escreveu que "a EchoStar é culpada de destruição grosseira de provas". Em uma disputa de marca registrada em 2012, um juiz disse sobre os advogados da Dish que, em seus 17 anos no tribunal, ele nunca tinha visto "tanta discórdia ou contenciosidade".

"A maioria das empresas tem um preconceito institucional contra o litígio e o vê como um mal necessário", diz um membro da rede. "Mas, para Charlie, essa é a maneira como ele administra sua empresa. No entanto, você nunca o verá processando em seu estado natal. O nome deles é sujo no Colorado. Os juízes estão atrás deles".

De fato, quando Dish entrou com uma ação judicial em maio de 2012, numa tentativa de levar as redes ao tribunal e fazer com que um juiz declarasse o funil legal, o fez em Nova Iorque.

A parabólica continua a ser combativa a cada esquina. A Comissão Federal de Comércio e o Departamento de Justiça estão a mover em conjunto uma ação judicial contra a empresa por suposta violação do Regras de telemarketing, fazendo chamadas não solicitadas a milhões de consumidores. Dish também aproveita todas as oportunidades para anunciar seu Hopper como o produto tecnológico tão grande que as emissoras não querem que ninguém ouça falar dele (mesmo quando dizem aos juízes que o Hopper não é tão diferente dos outros DVRs).

A propaganda de emboscada é comum na Dish. Em sites de notícias do setor, os funcionários regularmente deixam comentários com o objetivo de promover sub-repticiamente os serviços da Dish. Um redator do AllThingsD ficou tão irritado que escreveu uma coluna em 2011 intitulada "Dear Dish Network: Your Spam Makes Me Sad. Por favor, pare". O comunicado de imprensa que a Dish emitiu sobre o caso Kaley Cuoco é outro exemplo. Não havia nenhuma fonte para a suposta solicitação da CBS para excluir o tweet dela, e a CBS negou categoricamente. Quando solicitado a confirmar tal alegação, o porta-voz da Dish, John Hall, disse apenas: "Fomos contatados por alguém próximo à situação que nos disse que a CBS pediu que eles excluíssem o tweet".

Barbara Roehrig trabalhou na EchoStar em meados da década de 1990 e foi a primeira gerente mulher da empresa. Ela se lembra das constantes discussões com Ergen, que às vezes ameaçava entrar em uma sala e demitir todos os funcionários que ele rotulava de "bastardos malucos". "O modus operandi lá é gritar, e isso cobra seu preço", diz Roehrig, acrescentando que ela ainda mantém contato com muitos dos gerentes intermediários da Dish que se recusam a subir para os cargos executivos da empresa por causa da turbulência emocional que isso traz. "Todos nós já estivemos na linha de fogo das reclamações de Charlie".

A Dish foi rotulada como "a pior empresa dos Estados Unidos para se trabalhar" pelo site 24/7 Wall Street, com base em críticas contundentes no site de empregos Glassdoor.com. Os funcionários foram submetidos a "relatórios de crachá", em que são marcados com uma etiqueta vermelha por chegarem minutos atrasados. Quando viajam, os funcionários são solicitados a pegar voos com olhos vermelhos, compartilhar quartos de hotel e reembolsar a empresa se derem mais de 15% de gorjeta. Um representante de campo disse ao THR: "No meu escritório, não é permitido nem mesmo ir ao banheiro de manhã antes de fazer a rota, ou à noite, até sair do trabalho". (Um representante da Dish diz que a empresa abandonou seus relatórios de crachás em janeiro e nega que os funcionários sejam forçados a pegar voos com os olhos vermelhos e não tenham permissão para ir ao banheiro).

 

Depois que a Dish foi confrontada com a imprensa negativa, a gerência tentou intervir. O CEO da Dish, Joe Clayton, enviou um e-mail aos funcionários dizendo, entre outras coisas: "Se você está feliz aqui na DISH e acha que a empresa está indo na direção certa, acesse o Glassdoor.com e dê sua opinião".

Na sede da Dish no Colorado, os executivos da empresa descartaram perguntas sobre se a Dish era realmente a mais malvada das empresas malvadas.

"Acho que é um lugar desafiador para se trabalhar", admite Dave Shull, vice-presidente sênior da Dish, responsável pela aquisição de conteúdo. Ele diz que é comum que as reuniões sejam "animadas", mas ele adota o espírito agressivo da empresa. "Você sempre pode ser um seguidor, um escravo da concorrência e esperar pelo melhor", diz Shull. "Ou você pode assumir a liderança, tentar aumentar a participação no mercado e inovar. O que acontece no esqui ou na equitação quando você fica parado é que você perde o controle. Nós ficamos parados."

 

Após vários anos de crescimento, a Dish, assim como o restante do setor de cabo e satélite, está enfrentando novos desafios. De acordo com as estimativas dos analistas, os provedores de TV por assinatura ganharam apenas algumas dezenas de milhares de assinantes em 2012. E a tendência geral não é boa. Em resposta, a Dish tem trabalhado agressivamente para manter as contas dos clientes mais baixas do que as de seus concorrentes. As despesas da Dish relacionadas aos assinantes subiram para US$ 7,25 bilhões em 2012, 6% a mais do que no ano anterior, o que a empresa atribui ao aumento dos custos de programação. Em comparação, a DirecTV gastou mais de US$ 13 bilhões em programação em 2012 (e outros US$ 2 bilhões em serviços), um aumento de 12%. "Eu arriscaria um palpite de que os aumentos de programação da Dish estão entre os mais baixos do setor", diz Jayant.

Mesmo assim, isso pode não ser suficiente. O prato agora compete com serviços de TV baseados na Internet como Netflix e Hulu (a assinatura de qualquer um deles custa apenas cerca de um terço dos $49,99 por um pacote básico de prato), bem como combos para web e TV oferecidos por empresas como Time Warner Cable e Comcast.

Ao contrário de seus concorrentes, a Dish tem lutado para se expandir para outros negócios que não o serviço de TV por satélite. Em 2011, a empresa concluiu sua aquisição da Blockbuster, mas não conseguiu fazer a marca crescer até se tornar um concorrente viável da Netflix. Dish tem tentado fazer mais do seu espectro sem fio, que pagou cerca de US$ 3 bilhões para adquirir, mas tem sido frustrado pela FCC. A empresa tem tentado lançar um serviço de rede sem fio ultimamente, mantendo conversas com o Google e fazendo uma oferta agressiva para adquirir parte da rede 4G da pioneira Clearwire Corp.

No momento, entretanto, a Dish continua sendo um "pônei de um truque só", como diz o analista Jayant. Ao contrário da Comcast, a empresa não produz sua própria programação e, ao contrário da Time Warner Cable ou da Verizon, não está em condições de oferecer um pacote triplo de TV/Internet/telefone. O que ela tem é o Hopper, o que levou um advogado que defende as redes a concluir:

"Ergen prefere pedir perdão a pedir permissão."

Alguns observadores jurídicos acreditam que a Dish terá sucesso no tribunal. Em novembro, um juiz federal se recusou a emitir uma liminar para impedir o funil, dizendo que a Fox tem um caminho íngreme pela frente para argumentar que a Dish cometeu infração de direitos autorais e violou seus contratos com a rede. No entanto, o juiz não estava totalmente convencido da legalidade do esquema da Dish, e alguns advogados acreditam que as emissoras acabarão prevalecendo. "Acho que um tribunal ficará do lado das emissoras por causa da economia, embora um novo processo [legal] Teste O novo sistema precisa ser desenvolvido porque não atende aos padrões usuais", diz Bryan Sullivan, da Early Sullivan.

 

Como a ação judicial pode determinar a capacidade de Dish de permanecer no jogo com base no resultado das próximas negociações de transporte. Ergen está fazendo uma aposta multibilionária de que a Disney não pode desistir dos 14 milhões de assinantes do Dish, mas se a empresa assinar um novo acordo, enviará um sinal de que as emissoras exageraram um pouco quando se trata da ameaça que acusam o funil de posar.

Se o negócio não der certo, o prato pode seguir uma nova rota. Ele poderia transmitir o ABC da Disney de qualquer forma, sem um contrato, mas em parceria com uma empresa como a Diller's Aereo, cuja tecnologia proprietária para capturar sinais de TV sobre as ondas aéreas e transmiti-los privadamente on-line provavelmente será combatida em um processo confuso. (A parabólica e a Aereo têm estado em conversações recentemente). Ou Dish poderia abandonar o rápido crescimento do custo de licenciamento dos esportes ao vivo da ESPN para posicionar ainda mais o distribuidor satélite como a alternativa barata no mercado. Mas isso é sem dúvida arriscado.

Os analistas já estão ficando um pouco nervosos. Em uma recente teleconferência, perguntou-se à gerência de pratos o que iria acontecer.

"Somos um grande cliente da Disney", respondeu Clayton. "Eu não esperaria que eles tirassem a licença com o AutoHop como motivo." Ergen acrescentou: "Nossos cheques são bem grandes". A Dish paga à Disney cerca de um bilhão de dólares por ano somente pela ESPN. Mas isso não é suficiente para apaziguar a comunidade de analistas. "Não tenho ideia do que vai acontecer", admite Jayant.

Como demonstrou a recente batalha jurídica entre a Dish e a ESPN, as taxas de assinaturas em todo o setor de TV estão interligadas graças à cláusula da nação mais favorecida (que garante que nenhum concorrente conseguirá um acordo melhor). Se a Disney aceitar menos do que o valor de mercado da Dish, provavelmente terá que conceder descontos a outros provedores também. Além disso, livrar-se da Dish não significa necessariamente perder todos os 14 milhões de clientes de TV por assinatura, caso alguns deles migrem para serviços rivais. Uma pesquisa recente da Lazard Capital revelou que 41% a 48% dos assinantes de TV por assinatura cancelariam ou mudariam de serviço se perdessem um canal importante, e 35% desistiriam se perdessem a ESPN. "O impacto do conteúdo sobre os distribuidores está ficando mais forte", conclui o analista Barton Crockett.

 

A última vez que a Disney e a Dish chegaram a um acordo, em 2005, as negociações duraram um ano. Agora faltam apenas alguns meses para a expiração da licença em setembro, e os próprios negociadores que se encontrarão desconfortavelmente sentados um ao lado do outro em um tribunal por três semanas.

A Disney se recusou a comentar se iria analisar o funil, cuja legalidade provavelmente não será resolvida antes que os dois lados tenham que fazer um acordo. Um porta-voz da Disney disse que qualquer renovação com a Dish "seria consistente com os termos de mercado estabelecidos". Shull, da Dish, não disse se Ergen ou seus executivos se reuniram com a Disney, mas disse que espera que as duas empresas consigam resolver suas diferenças.

Ergen está prestes a receber o recibo por seu mau comportamento? Ou será que as emissoras se curvarão diante do que muitos acreditam ser a evolução inevitável do negócio publicitário? No final do ano, o resultado das negociações da Disney-Dish poderia sinalizar para onde a indústria está se dirigindo.

"Para algumas pessoas, isso se torna pessoal", diz Shull. "Para mim, é uma questão de negócios. Sempre há algumas diferenças de opinião, mas quando bilhões de dólares estão em jogo, a ganância geralmente vence."

 

 

 

 

"Somos um grande cliente da Disney", respondeu Clayton. "Eu não esperaria que eles a retirassem, tendo o AutoHop como motivo." Ergen acrescentou: "Nossos cheques são bem grandes". A Dish paga à Disney cerca de $1 bilhão por ano somente pela ESPN. Mas isso não é suficiente para acalmar a comunidade de analistas. "Não tenho ideia do que vai acontecer", admite Jayant.

Conforme destacado no recente processo judicial entre a Dish e a ESPN, graças às cláusulas de "nação mais favorecida" (que garantem que nenhum rival conseguirá um acordo melhor), as taxas de assinantes estão interligadas em todo o setor de TV. Se a Disney aceitar menos do que o valor de mercado da Dish, provavelmente terá que conceder descontos a outros distribuidores também. Além disso, o fato de se afastar da Dish pode não significar necessariamente a perda de todos os 14 milhões de consumidores de TV paga, caso alguns deles migrem para serviços rivais. Uma pesquisa recente da Lazard Capital revelou que 41% a 48% dos assinantes de TV paga cancelariam ou interruptor de seus serviços se perdessem uma das principais redes de transmissão, e 35% cancelariam se perdessem a ESPN. "A influência do conteúdo sobre os distribuidores está se fortalecendo", conclui o analista Barton Crockett.

HISTÓRIA: CES: Rede de pratos com novas características

A última vez que a Disney e a Dish fizeram um acordo, em 2005, as negociações levaram um ano. Agora, faltam apenas alguns meses para que a licença expire em setembro, e os próprios negociantes que se encontrarão lado a lado durante três semanas em uma sala de audiências.

A Disney não quis comentar se iria analisar o Hopper, cuja legalidade provavelmente não será resolvida antes que os dois lados precisem fazer um acordo. Um porta-voz da Disney disse que qualquer renovação com a Dish seria "consistente com os termos estabelecidos no mercado". Shull, da Dish, não disse se Ergen ou seus executivos se reuniram com a Disney, mas disse que espera que as duas empresas consigam resolver suas diferenças.

O Ergen está prestes a ser recompensado por seu comportamento desagradável? Ou será que as emissoras se curvarão diante do que muitos acreditam ser a evolução inevitável do negócio publicitário? No final do ano, o resultado das negociações da Disney-Dish poderia sinalizar para onde a indústria está se dirigindo.

"Para algumas pessoas, isso se torna pessoal", diz Shull. "Para mim, é uma questão de negócios. Sempre há alguma diferença de opinião, mas com bilhões de dólares em jogo, a ganância geralmente vence."

Fonte: www.hollywoodreporter.com/news/dish-networks-charlie-ergen-is-432288?page=3

pt_BRPortuguês do Brasil